terça-feira, 26 de junho de 2012

Não é melhor pregar o evangelho do que falar sobre calvinismo?


"Minha opinião pessoal é que não há pregação de Cristo e este crucificado, a menos que se pregue aquilo que atualmente se chama calvinismo. É cognome chamar isso de calvinismo; pois o calvinismo é o evangelho e nada mais. Não creio que possamos pregar o evangelho... a menos que preguemos a soberania de Deus em sua dispensação da graça; e também a menos que exaltemos o amor eletivo, imutável, eterno, inalterável e conquistador de Jeová; como também não penso que podemos pregar o evangelho, a menos que o alicercemos sobre a redenção especial e particular do seu povo eleito e escolhido, que Cristo realizou na cruz; e também não posso compreender um evangelho que permite que os santos apostatem depois de haverem sido chamados.”


SPURGEON, Charles H.. In: Spurgeon´s Autobiography, vol I. (London: Passmore and Alabaster, 1897), p.172.

Um comentário:

  1. Contra o calvinismo. L. S. Chafer diz: "Tudo isso Deus empreende e realiza em graça soberana. Ele elege, chama, inclina o coração, redime, regenera, preserva, e apresenta sem pecado diante de sua glória todos os que são objetos de sua graça soberana". Teologia Sistemática L. S. Chafer. Vol. 3. Pág. 167. O oposto também é verdade este mesmo Deus "amoroso e gracioso" empreende e realiza em retribuição (condenação eterna) soberana. Ele reprova, ignora, endurece o coração, não redime (salva ou liberta), não regenera (não dá vida ou revive), se certifica e garante apresentá-los com multidões de pecados diante de seu trono "justo e glorioso" todos aqueles que são objetos de seu juízo (ira ou ódio) soberanos. By Ronald Vianna.

    ResponderExcluir