sábado, 6 de outubro de 2012

Será que estou escandalizando?


"Você não deve falar de certas coisas neste lugar, vai causar escândalo!"
"Temos que deixar de fazer tudo que escandaliza os irmãos!"

Há tempos tenho ouvido frases como essas. A última me foi dita quase com furor há algumas semanas. É escândalo disto, escândalo daquilo. Parece que o vocabulário de algumas pessoas é resumido nessa palavra. Entretanto, muitos cristãos não tem conhecimento verdadeiro acerca do conceito de escândalo. Preocupa-me quando usam-no para descrever qualquer comportamento ou atitude que desagrade suas preferências pessoais ou em prol de um "bem estar social". Para entender melhor, é necessário estabelecer o que de fato é escândalo. E já cito de antemão duas postagens muito boas que auxiliaram  a construção deste texto: Escandalizar ou não escandalizar? Eis a questão! e Escândalo - pedra de tropeço no caminho.

Conceito
A palavra escândalo vem do grego skandalon, que é usada para traduzir duas palavras do hebraico: 
a)  michsol,  significa uma pedra de tropeço. Assim está em Levítico 19:14: “Não porás tropeço diante do cego.” 
b) mokesh, que  significa um laço ou armadilha. Declara-se em Josué 23:13 que as alianças com as nações estrangeiras são laços e redes.
A palavra escândalo, genericamente, é usada para substituir os termos "tropeço" e "cilada", embora ambas tenham um mesmo significado prático: uma ação deliberada para fazer com que alguém erre ou vacile.

Outros skandalon na Bíblia
Na explicação da parábola do joio em Mateus 13, nos versos 41 e 42 é dito: "Mandará o Filho do Homem os seus anjos, que ajuntarão do seu reino todos os escândalos e os que praticam a iniquidade e os lançarão na fornalha acesa". Em Lucas 17:1-2 "Disse Jesus a seus discípulos: É inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual eles vem! Melhor fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e fosse atirado no mar, do que fazer tropeçar a um destes pequeninos". Jesus deixa clara sua abominação pelo escândalo. Melhor é a morte que fazer com que outro tropece. No entanto, o próprio Cristo foi causador de escândalos. Novamente no evangelho de Mateus, no capítulo 15 lemos: "Então, aproximando-se dele os discípulos, disseram: Sabes que os fariseus, ouvindo a tua palavra, se escandalizaram? Ele, porém respondeu: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada. Deixai-os; são cegos, guias de cegos.".

skandalon em I Coríntios 8
"No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus. Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos. E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra Cristo que pecais." (I Coríntios 4;8;11-12)

Há uma questão a ser tratada aqui antes de prosseguirmos. Em primeiro lugar, esse texto fala exclusivamente  acerca de alimentos sacrificados a ídolos. Comer carne num templo pagão era algo que hoje equivaleria a comer num restaurante, mas com o agravante de que muitos consideravam tais refeições como ato de idolatria. Embora não houvesse pecado em comer num templo pagão, o pecado surgia se o ato fosse feito deliberadamente como adoração pagã [1]. O cuidado aqui é com o cristão fraco, pelo qual Cristo morreu. Esse cristão deveria ser instruído sobre essas práticas e onde está a origem desse pecado. Não há no texto nenhuma orientação quanto aos ímpios. O problema começa quando os cristãos atuais pregam a abstenção total de práticas "erradas" de acordo com usos, costumes e tradições, para que não exista a possibilidade de sermos confundidos com não-crentes.
Um exemplo para chegamos ao ponto de tensão: para a maioria dos crentes, não é possível beber uma cerveja com os amigos e amar a Deus verdadeiramente. A pior parte é que ao invés de tentarmos corrigir essa cultura errada, preferimos nos calar e simplesmente abrir mão de tudo que não agrada aos crentes para não escandalizar. Lastimável!

Concluímos dessa forma que há duas formas de escândalo. A primeira é o skandalon propriamente dito, quando temos a intenção de fazer com que alguém tropece com alguma atitude nossa. Esse acontece quando pessoas que já conhecem Cristo continuam com suas vidas vazias, sem nenhuma ética e seus valores totalmente corrompidos. Essas atitudes afetam diretamente aqueles que são novos na fé, que vacilam por imitar tais práticas pecaminosas.
A segunda forma é o oposto, o skandalon provocado pela ação transformadora de Deus em nossas vidas, que nos faz viver de acordo com bases éticas e morais totalmente contrárias às do mundo. Esse é o escândalo que Cristo causou: uma quebra de falsos paradigmas. A palavra da cruz é loucura para os que perecem (I Coríntios 1:18) e Cristo é escândalo para os judeus e loucura para os gentios (I Coríntios 1:23).
Devemos viver uma vida de santidade de acordo com os princípios de Deus, para que não escandalizemos os novos convertidos. Qual o verdadeiro e necessário compromisso com os neófitos? Instrução! Caminhemos juntos, estudemos e aprendamos juntos, para esses não cairem em pecado por nossa causa.
Quanto aos ímpios, temos que escandalizá-los como Cristo o fez, com nossa moral e ética pautadas nas Santas Escrituras. Escandalizar também os novos fariseus combatendo o seu legalismo. Devemos nos preocupar é com os escândalos dos falsos pastores com suas teologias satânicas, os crentes na política que só envergonham o evangelho, e não com quem usa bermuda na igreja, pastor que prega sem usar terno, pessoas que usam piercings e tem tatuagens. Fazer isso não é nenhum ato de amor ou preocupação, mas um falso exercício de piedade contrário às Escrituras.

"Que a paz de Cristo seja o juiz em seus corações, visto que vocês foram chamados a viver em paz, como membros de um só corpo." Colossenses 3:15.

Referências:
[1] Bíblia de Estudo de Genebra

11 comentários:

  1. Quer saber uma coisa que eu evito de falar porque vai ter comoção e escândalo?
    Gostaria muito de dizer para os reformados começarem a ter uma linguagem mais simples para pessoas simples, sem intelectualismo acessível ao povo em geral.
    Gostaria de dizer para pararem com esse negócio de citarem Calvino, Lutero, Grudem, Pink, mas começarem a citar mais a Bíblia com liberdade e pararem de "endeusarem" os reformadores, pois eles eram homens tão errantes como nós.
    Gostaria de pedir para os reformados não tratarem as tais "institutas" de Calvino como se fosse obra inspirada.
    Gostaria de pedir para os irmãos Reformados pararem de citar termos técnicos ou acadêmicos, porque nosso objetivo não é academicismo, falar bonito, mas pregar a boa nova pura e simples sem grande palavras de sabedoria.
    Gostaria de pedir aos irmãos reformados que fosse menos acomodados, mas bem mais ativos na obra do Senhor.
    No fundo, no fundo, tudo quanto falei tem fundamento, mas causa ESCÂNDALO, PROTESTO, COMOÇÃO e disto já to cansado.
    Abraços
    Cesar
    www.revistacrista.org

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo elogio César, creio que o texto acima realmente deve ter sido difícil de ter sido escrito numa linguagem tão acessível ao público geral, traduzindo e explicando de forma bem clara a origem das palavras grega e hebraica que originaram o termo "escândalo".

    Acredito que o autor também deve ter tido trabalho para selecionar as diversas passagens bíblicas que utilizou para defender sua tese. E tudo isso sem nem citar Calvino, Lutero nem parafrasear as Institutas, apesar que eu não vejo mal nenhum nisso.

    O nosso objetivo não é o academicismo, mas também desejamos alcançar e influenciar a Academia, hoje tão entregue às mãos dos descrentes por causa do desinteresse cristão. Sem esquecer que Jesus ama os acadêmicos (Espero que isso não cause escândalo).

    Creio que o texto também se preocupa com as pessoas simples ao ajudá-las a não serem eternamente "simples", mas a entenderem melhor o que dizem.

    Quero parabenizar o autor por escrever bonito, porque isso mostra que tudo o que faz, faz como se fosse para Deus.

    Obrigado Cesar pelo comentário, seu reconhecimento nos dá força para continuar a anunciar as Boas Novas num mundo tão hostil à Verdade bíblica.

    Abraços, Andre

    ResponderExcluir
  3. Caro Cesar Fran,
    concordo em parte com você, principalmente com relação à linguagem. Deve-se buscar ter uma linguagem que seja compatível com o público alvo. Não sou contra o uso de uma linguagem mais complexa quando o público que se quer atingir sejam indivíduos mais intelectualizas. Sou contra o uso deste tipo de linguagem com indivíduos mais simples, principalmente nos cultos, já que muitos podem não compreender o que está sendo dito, o que prejudica a edificação dos irmão (como no caso do falar em línguas).
    No que tange a citar autores, como Calvino, Lutero e outros teólogos importantes, não vejo problema algum, já que estes homens, mesmo que mortos, são nossos irmãos em Cristo e também fazem parte da Igreja! Ao citá-los, estamos dando o devido reconhecimento a estes homens e também sendo humildes ao dizer que alguém já discutiu isto antes de mim. A igreja de hoje foi construída com o trabalho destes homens (com a ação indispensável do Espirito Santo). Estamos apoiados sobre o ombro de gigantes!
    Com relação à tratar textos como as Institutas como inspirados, quem assim o faz não é reformado, já que um dos lemas da reforma é Somente as Escrituras! Entretanto, meu caro, você acha que citar somente textos bíblicos irá te livrar de usar de idéias de homens? Afinal, você acredita mesmo que ao interpretar a Bíblia você está neutro a toda e qualquer influência teória? Grande engano! Como você não dá importância à teologia e a história, você não deve nem ter idéia de que grande parte de sua fala a respeito da Bíblia tem origem em algum desses autores! Você só desconhece isso!
    A Palavra-Revelação (Escrituras), ao penetrar a nossa mente, gera uma resposta nossa, ou seja, criamos um pensamento teórico, já que o ser humano, para entender algo, tenta sistematizá-lo em "caixinhas", pois nossa mente é limitada. Então, as Escrituras, como palavra de Deus, não podem ser questionadas, mas a teologia, ou seja, a resposta humana às Escrituras pode, já que é uma interpretação nossa.
    Sempre aparece por aí, uns idiotas que dizem só usar a Bíblia, e ele mesmo sozinho consegue interpretá-la, sem auxílio da teologia, de autores do passando, e acabam falando grandes bobagens! Coisas que já foram discutidas durante milênios, trocentas vezes, e o sujeito dizendo ter uma nova interpretação! Ao reconhecermos textos como as Institutas, não estamos dizendo que ela é infalível, e que Calvino não pode ser questionado, mas simplesmente dizendo que alguém já falou sobre o assunto! Para discordarmos de algo, ou fazermos alguma interpretação de textos Bíblicos, é sábio recorremos a autores que trataram sobre o tema antes de nós (seja reformadores ou acadêmicos), isso nos evita de falarmos asneiras e de querermos reinventar a roda! Grandes heresias e seitas surgem por não darmos a devida atenção à história!
    Suas palavras não me causaram comoção, nem tão pouco escândalo, já que esta atitude anti-intelectual é muito comum nas igrejas evangélicas do Brasil (talvez por isso surjam tantas heresias). Entretanto, protesto contra qualquer movimento anti-intelectual, que é um engano perverso!
    Indico o texto deste mesmo blog sobre anti-intelectualismo http://cosmovisaocalvinista.blogspot.com.br/2012/09/o-anti-intelectualismo-e-decadencia-da.html
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Excelente postagem. Eita povinho pra se escandalizar com besteira o tal do povo crente...rs. Devemos ficar escandalizados com as práticas que a bíblia classifica como pecaminosas. Se alguém se escandaliza porque eu o outro usa uma camisa verde, ele terá que deixar de usar? Evidentemente que não! Não devemos nos prender a isso. Se algum irmão, fraco, se escandaliza com isso, sinto muito. Continue a usar sua camisa verde. Aproveite e ensina seu a irmão e mande ele largar de besteira e meninice. Diga-lhe para ficar realmente escandalizado com o pecado; o seu próprio e os dos outros.

    ResponderExcluir
  5. Primeiro gostaria de parabenizar os autores do blog por sua contribuição a reflexão de temas bíblicos contemporâneos. Faço nesta oportunidade minhas considerações:

    Com relação ao uso de álcool, convém apontar as seguintes passagens bíblicas:

    "Não é próprio dos reis, ó Lemuel, não é próprio dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte. Para que não bebam e se esqueçam do estatuto, e pervertam o juízo de todos os aflitos. Dai bebida forte aos que perecem, e vinho, aos amargosos de espírito; para que bebam, e se esqueçam da sua pobreza, e do seu trabalho não se lembrem mais". - Provérbios 31:2-7.

    "Não esteja entre os beberrões de vinho, nem entre os comilões de carne. Porque o beberrão e o comilão cairão em pobreza; e a sonolência faz trazer as vestes rotas." - Provérbios 23:20-21.

    "Para quem são os ais? Para quem os pesares? Para quem, as queixas? Para quem, as feridas sem causa? E para quem, os olhos vermelhos? Para os que se demoram perto do vinho, para os que andam buscando bebida misturada. Não olhes para o vinho, quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente, No seu fim, morderá como a cobra e, como o basilisco, picará." - Provérbios 23:29-32.

    "E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito". - Efésios 5-18. Utilizando o princípio da solo scriptura chegamos a conclusão que o uso de bebidas alcoólicas não é recomendado aos da casa de Deus. Por este motivo muitos se "escandalizam".

    Ademais, vale ressaltar o texto de Romanos 14:15-23:

    "Mas, se por causa da comida se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. Não destruas por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu. Não seja, pois, blasfemado o vosso bem. Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo. Porque quem nisto serve a Cristo agradável é a Deus e aceito aos homens. Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros.Não destruas por causa da comida a obra de Deus. É verdade que tudo é limpo, mas mal vai para o homem que come com escândalo. Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça. Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova. Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado."

    Realizando uma interpretação extensiva do texto chegamos a conclusão que a realização de qualquer ato que faça nosso irmão tropeçar ou se escandalizar deve ser abolido da vida cristã por amor ao próximo. É temerário afirmar que o crentes se escandalizam por qualquer coisa observando o texto bíblico supra citado.

    ResponderExcluir
  6. Filósofo Calvinista, obrigado pelo comentário! Os crentes estão com os olhos tão fixos nos "escândalos" que contrariam seus costumes... Temos que compreender que a instrução nas Escrituras é a solução para esses possíveis enganos, e não simplesmente parar de fazer tudo.

    ResponderExcluir
  7. Caro Franco, obrigado pelo seu comentário!
    Nós aqui do blog temos tentado disseminar a cosmovisão cristã e consolidar essa visão de mundo, que abrange todas as áreas da vida. Faço também minhas considerações acerca das suas considerações (rs).

    Os três textos do livro de Provérbios não apresentam nenhum argumento contra o consumo de bebidas alcoólicas, e sim conselhos para que os excessos sejam evitados. Não podemos confundir! Deixaremos de comer para não pecar em glutonaria? Ou pararemos de falar para não pecar com a língua? É certo que não.

    O texto de Efésios também se encaixa nesse contexto (a condenação da embriaguez). Além disso, há a possibilidade de Paulo se referir no verso 18 aos cultos ao deus Dionísio, marcados pelo uso indevido de vinho e pelas práticas sexuais animalescas.

    Vemos que um dos propósitos principais de Romanos é unir judeus e gentios na igreja romana, e para tal era preciso "homogeneizar" a igreja, instruindo crentes maduros e neófitos. No capítulo 14 Paulo fala sobre a tolerância com os fracos na fé, e logo nos versos 2 e 3 diz: "Um crê que de tudo pode comer, mas o débil come legumes; quem come não despreze o que não come; e o que não come não julgue o que come, porque Deus o acolheu". Há aqui a recomendação para um trabalho mútuo de respeito e instrução, e não a satisfação dos caprichos de crentes novos na fé por parte dos crentes maduros.

    Em Colossenses, Paulo já discursa contra essas abstenções, que nesse caso faziam parte das práticas sincretistas do povo de Colossos, os quais o apóstolo duramente combate nessa carta:

    "Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, porque, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a ordenanças: não manuseies isto, não proves aquilo, não toques aquiloutro, segundo os preceitos e doutrinas dos homens?".

    Sendo assim, reafirmo a necessidade da instrução dos neófitos numa prática verdadeira de amor ao próximo. Há ainda muitos crentes se "escandalizando" por qualquer coisa! Repito, por fim, minhas últimas palavras da postagem:

    Devemos nos preocupar é com os escândalos dos falsos pastores com suas teologias satânicas, os crentes na política que só envergonham o evangelho, e não com quem usa bermuda na igreja, pastor que prega sem usar terno, pessoas que usam piercings e tem tatuagens. Fazer isso não é nenhum ato de amor ou preocupação, mas um falso exercício de piedade contrário às Escrituras.

    Um abraço!
    Igor.

    ResponderExcluir
  8. Prezado,
    Boa Tarde!

    Levítico 10.9-11:
    "E falou o SENHOR a Arão, dizendo: Vinho ou bebida forte tu e teus lhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações, para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo, e para ensinar aos lhos de Israel todos os estatutos que o SENHOR lhes tem falado pela mão de Moisés."

    Se partirmos do pressuposto que somos sacerdotes do Senhor, não devemos dar lugar à nossa carne e ao pecado. Conforme provérbios 20.1, o vinho é escarnecedor e a bebida forte alvoroçada, e todos aqueles que por eles é vencido não é sábio. O álcool em verdade não traz nenhum benefício a seu consumidor, traz somente comprometimento dos sentidos e do bom senso. Ademais irmãos sabemos que a natureza do homem é fraca, e não devemos abrir brechas para que esta natureza corrupta prevaleça sobre nós.

    Diante disso, aqueles que se dizem templo do Espírito Santo não devem se arriscar a realizar as obras negativas produzidas pelo álcool. Deus aprova que o homem tenha seu discernimento reduzido e hajamos como patetas perante a sociedade? Entendo que a resposta é negativa.

    Penso que o Espírito Santo de Deus é suficiente para proporcionar alegria em nossos corações, não necessitando de recursos humanos falíveis, como a ingestão de bebidas alcoólicas.

    Para mim, o cristão deve ser adversário de todas as formas de drogas, ressalvando as medicinais em tempo de enfermidade.

    Outrossim, insta salientar que o crente deve se abster da aparência do mal e mal testemunho. Jesus disse a seus discípulos: "É inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual eles vêm!" (Lucas 17.1). Não podemos escandalizar ninguém, tampouco ser pedra de tropeço à fé. Ratificamos o disposto em Romanos 14.13 — "Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça". Já em 1 Coríntios 8.13 está escrito: "Pelo que, se o manjar escandalizar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que meu irmão não se escandalize."

    Levantei a questão do uso de álcool pois é controversa, mas extremamente relevante, diferente do uso de calça jeans pelas mulheres durante os cultos, do uso brincos, de maquiagem etc.
    Estes últimos são irrelevantes, mas o uso de drogas é extremamente pertinente.

    Concluindo, escândalos virão, e uso do álcool gera escândalo. Como afirma o próprio Senhor Jesus, ai daqueles que o gerarem! O texto de 1 Corintios 1.13 já encerra a discussão de forma definitiva: "Pelo que, se o manjar escandalizar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que meu irmão não se escandalize."

    Forte Abraço,

    Franco Aurélio Silva
    Membro da Igreja Presbiteriana do Guanabara
    Betim/MG

    ResponderExcluir
  9. Graça e Paz dá parte de Deus nosso Pai, é dá Senhor Jesus Cristo nosso Salvador! Todos que falam alguma coisa erram! E todos que criticam ou falam mal de alguém já errou e pecou contra si mesmo. Vamos pensar primeiro antes de falar alguma coisa. Para não entristecer o próximo! Nem o Espírito Santo.Se não você estar perdendo seu tempo em ir para Igreja adorar a Deus! Se é que você vai.Deus te de graça e amor no coração!

    ResponderExcluir